Perdendo a evidência

É escusado dizer o óbvio. Ademais, a escusa é também um requisito. Quando, no entanto, dizemos o óbvio, este soa-nos tautológico e intrusivo: “o mundo está realmente aí”, “eu existo de fato”, “a parte é menor do que o todo”, “homens e mulheres são deliciosamente diferentes”.  Contudo, se dermos um passo a mais e tentarmos ‘provar’ essas coisas, nossa mente perde as estribeiras. A tentativa mesma de provar o óbvio estonteia a nossa consciência, pois ao elaborarmos argumentos para isso, estaremos como que traindo aquela apreensão confiante e imediata da nossa mente em relação às verdades autoevidentes. Ao usar instrumentos inferenciais, no lugar de aceitar o caráter imediato da intuição, essa mesma intuição começa a decair e a ser assediado por embaraços. É como o processo de respiração, que acontece fácil e automaticamente até o momento que começamos a prestar atenção nele, ao invés de simplesmente desempenhá-lo  – ele se torna dificultoso. Ou como quando você repete uma palavra familiar dezenas de vezes, fora de contexto – ela começa a soar estrangeira. É da mesma forma com os truísmos autoevidentes. A aceitação humilde os enraíza em nossas mentes, ao passo que ‘prová-los’, ao contrário, é atirá-los ao vento.

Apesar disso, às vezes temos de fazer um balanço deles, e ficar alertas contra os malvados intrusos – os quais, na verdade, requerem discussão, mas se pretendem passar por óbvios. Muitas vezes ocorre de duas pessoas que chegam a um impasse argumentativo discordarem mais sobre aquilo que consideram autoevidente – e, portanto, que não é sequer mencionado –, do que sobre o objeto das questões discutidas. Desde que eu comecei a lecionar Filosofia Medieval, tenho de iniciar cada curso demonstrando aos estudantes que não é óbvio, de maneira nenhuma, que ‘medieval’ equivale a ‘retrógrado’ nem a ‘supersticioso’. Trata-se de um falso truísmo. Mas os mesmos estudantes têm de ser dissuadidos do problema reverso: eles adoram duvidar da validade dos primeiros princípios, ou da realidade do cosmos objetivo. Os tempos estão de fato ‘fora dos eixos’, como lamentou Hamlet. Aqueles primeiros princípios – comandados pelo vovô de todos eles, o ‘princípio da não-contradição’ – ostentam o emblema da autenticidade: eles não podem ser negados sem que se os pressuponha. Sustenados por eles, podemos fazer a caminhada da razão em liberdade e na luz; duvidando deles, mesmo a razão se torna um jogo vazio de mundos possíveis e impossíveis, mas nunca do mundo real. Há poucos primeiros princípios, mas eles são fortes e valiosos como diamantes. Perder-lhes a evidência é como perder a cabeça.

blog-diamonds-various